ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Lusofonias]

Sobre a pronúncia e a grafia *

Pasquale Cipro Neto**

[Depois de ter tratado] da conjugação de verbos como resignar, impregnar, impugnar, etc., cujas flexões podem apresentar alguma dificuldade de pronúncia e/ou de grafia. Vimos, por exemplo, que a tonicidade da forma impregna recai no e, que é aberto (não se lê "impreguína"; lê-se imprégna). Vamos trocar mais dois dedos de prosa sobre o tema pronúncia/grafia. O leitor talvez já tenha visto a palavra ritmo escrita com acento agudo no "i" (rítmo). De início, é preciso deixar claro que ritmo se escreve sem acento (ritmo). Esse vocábulo, que tem apenas duas sílabas (rit-mo), é paroxítono, tão paroxítono quanto "copo", "rosto", "laço", "vidro", "nosso", "peço", "digo", "logo", "hino", que não recebem acento gráfico.

Neste espaço, já tratei algumas vezes de alguns dos fundamentos do sistema de acentuação da nossa língua. O princípio básico é o da oposição, o que, no caso das palavras arroladas no parágrafo anterior, ocorre entre as oxítonas terminadas em "o" (como "jiló", "carijó", "cipó", "avó", "avô" etc.) e as paroxítonas de mesma terminação (como as já citadas).

Qual é mesmo o critério? É simples: oxítonas e paroxítonas se excluem, ou seja, se se acentuam as oxítonas de determinada terminação, não se acentuam as paroxítonas dessa mesma terminação (e vice-versa). O acento gráfico é posto sempre nas palavras que compõem o grupo minoritário.

Moral da história: como há mais paroxítonas terminadas em "o" do que oxítonas terminadas em "o", acentuam-se as oxítonas, o que torna inútil (e errado!) acentuar ritmo, por exemplo.

Antes que alguém me peça uma prova de que as paroxítonas terminadas em "o" são majoritárias, lembro que a primeira pessoa do singular do presente do indicativo de 99,9999% dos nossos verbos é representada por uma paroxítona terminada em "o" ("ando", "canto", "falo", "beijo", "perco", "vendo", "esqueço", "prometo", "permito", "parto", "decido" etc.).

É preciso tomar cuidado para não misturar o caso de "ritmo" com o de "rítmico", que leva acento por ser proparoxítona. Como se sabe, TODAS as proparoxítonas recebem acento gráfico.

Pois acabo de chegar aonde eu queria. O ponto é este: conhecido o mecanismo do sistema de acentuação, a leitura correta de uma palavra (no que diz respeito à posição da sílaba tônica) transforma-se em mero exercício matemático. Explico: como as possibilidades de localização da sílaba tônica são apenas três, uma palavra como "ibero" só pode ser...

Só pode ser o quê, caro leitor? Vamos lá: se ibero fosse proparoxítona, haveria acento agudo no "i", já que TODAS as proparoxítonas... (não é preciso repetir, certo?). Como não há acento sobre o "i", não se pode ler essa palavra como proparoxítona.

Se bero fosse oxítona, haveria acento no "o", já que TODAS as oxítonas terminadas em "o" são acentuadas. Como a matemática nos ensina que 3 - 2 = 1, o vocábulo ibero só pode ser paroxítono (lê-se /ibéro).

O conhecimento dos mecanismos de acentuação não permite apenas a grafia correta das palavras; permite também (e sobretudo) a leitura rápida e adequada. Uma coisa é ler "possui" ou "secretaria", por exemplo; outra é ler "possuí" e "secretária". É isso.

Cf. Regras da acentuação + Acentuação. Grafia + A origem de oxítona, de paroxítona e de proparoxítona + Acentuação das paroxítonas + Paroxítonas + Proparoxítonas, justificação do acento

* Coluna publicada no dia 10 de M[m]arço de 2005, no jornal "Folha de S. Paulo" :: 24/05/2005

Sobre o autor

**

Pasquale Cipro Neto, professor brasileiro de português. Colaborador da Folha de S. Paulo desde 1989, é o autor e apresentador do programa Nossa Língua Portuguesa, transmitido pela Rádio Cultura AM (São Paulo) e pela TV Cultura, e do programa Letra e Música, transmitido pela Rádio Cultura AM.

 

Enviar:

Lusofonias

Textos que versam sobre política de língua.

Sobre a aprendizagem das línguas nacionais, em Angola
O mundo mudou e a CPLP está a mudar
A importância da cooperação linguística
Os perigos da "imagináutica"
Com 800 anos e ainda menina
Língua portuguesa, recurso fabuloso
Que faremos com esta língua?
Língua portuguesa: porquê 27 de Junho?
A CPLP e as estratégias de expansão da Língua Portuguesa no Mundo
Por uma nova ideia de lusofonia

Temas

As línguas de Angola

Comemorações

Controvérsias

CPLP

Língua portuguesa em Timor

Lusofonia

Política de língua

Português como língua oficial

Português em Moçambique



Autores

Afonso Peres

Alexandra Carita

Ana Martins

António Carrapatoso

António Mega Ferreira

Appio Sottomayor

Baptista-Bastos

Carlos Fragateiro

Carlos Reis

Carmen Maciel

D. Carlos Filipe Ximenes Belo

David Borges

David Borges e José Mário Costa

Duda Guennes

D´Silvas Filho

Edite Estrela

Edite Prada

Eduardo Prado Coelho

Elsa Rodrigues dos Santos

Emília Ferreira

Eugénio Anacoreta Correia

Fernanda Câncio

Fernando Cristóvão

Fernando dos Santos Neves

Fernando Santos Neves

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filipe Morato Gomes

Francisco Belard

Francisco Edmundo

Francisco Seixas da Costa

Gilvan Müller de Oliveira

Gonçalo de Sampaio

Guilherme d'Oliveira Martins

Hamilton Carvalho

Ida Rebelo

Isabel Hub Faria

Ivo Castro

Jorge Couto

Jorge Sampaio

José Carlos Abrantes

José Eduardo Agualusa

José Luís Fontenla

José Manuel Matias

José Ramos-Horta

José Ribeiro e Castro

José Vítor Malheiros

Josué Machado

Luís Carlos Patraquim

Manuel Rodrigues dos Santos

Manuel Tavares

Marcelo Spalding

Margarita Correia

Maria Helena Mira Mateus

Maria Regina Rocha

Mia Couto

Miguel Carvalho

Nuno Pacheco

Nuno Ribeiro

Odete Semedo

Pasquale Cipro Neto

Paulo Henrique Amorim

Paulo Moura

Pedro d´Anunciação

Pedro Lomba

Pedro Rosa Mendes

Renato Borges de Sousa

Rosa Ramos

Rui Araújo

Rui Ramos

Rui Tavares

São José Almeida

Teotónio R. de Souza

Teotónio R. Souza

Vasco Graça Moura

Victor Domingos

Xavier Ron Fernández


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos